Se eu fizer a diferença na vida de uma pessoa, já tenho meu objetivo alcançado.

A zona de conforto, um lugar ou um estado de espírito?

Um grande limitador do progresso pode ser nosso medo do desconhecido. Algumas pessoas demonstram grande medo do que não conhecem, quando são desafiadas a sair de sua zona de conforto.

Uma das definições da zona de conforto, é que ela pode ser identificada por comportamentos ou ações a que uma pessoa se acostumou e que de alguma maneira lhe transmite segurança. Quando vivemos desta forma, nossos resultados podem permanecer inalterados por muito tempo, limitando nossa condição de aprimoramento e melhoria. Sair deste tipo de estado mental e físico requer coragem e disposição.

Quando a rotina passa a fazer parte de nossa vida, deixamos de utilizar todas as nossas capacidades e detalhes valiosos podem ser deixados de lado, a desculpa passa a ser uma ferramenta comum, e justificamos nossas escolhas e resultados.

Um caminho para a mudança de atitude e comportamento, começa por fazer uma auto-analise. Em seguida, identificar que hábitos precisam ser corrigidos, deixados de lado ou aprimorados.

Há muitos recursos, eles podem ser classificados em duas vertentes: recursos externos e recursos internos.

Avalie seus recursos:

1. Analise o ambiente em que vive;
2. Identifique qual é o tipo de influência que você recebe;
3. Procure motivos pelos quais você se submete ao ambiente, ainda que o incomode;
4. Verifique que hábitos estão presentes em seu dia a dia;
5. Reflita sobre quais são as suas crenças;
6. Busque listar três ações que poderiam auxiliá-lo a sair da zona de conforto;
7. Priorize por ordem de importância;
8. Planeje quando irá aplicá-las.

Ao analisar seu desafio, tenha em mente que existem aspectos que não podem ser deixados de lado, tais como: o momento ( atual, futuro e passado ), seus valores versus os valores de sua organização, sua expectativa, sua capacidade de execução e o comportamento das pessoas a sua volta.

Alguns hábitos estão enraizados em nosso âmago de tal maneira, que torna muito difícil nossa percepção de já estarmos vivendo no automático. Alguém certa vez disse: “Desenvolver maus hábitos é fácil, perder maus hábitos é difícil”. Não há salário sem labuta. Precisamos estar dispostos a pagar o preço. Procure o feedback das pessoas do seu convívio e esteja pronto para ouvir. Procure ouvir de forma isenta e reflita sobre o que for dito, deixe a racionalização e as desculpas de lado. Pratique a humildade. Ouvi dizer certa vez, que humildade é ser ensinável.

Escreveu Denis Waitley: “Os vencedores na vida pensam sempre em termos de, Eu posso, Eu faço e Eu sou. Os perdedores, ao contrário, concentram seus pensamentos no que deveriam ter feito, poderiam ter feito ou no que não conseguem fazer”.

Certamente nossas experiências e o meio em que estamos, podem influenciar o que somos, mas devemos nos lembrar que somente nós somos os responsáveis por aquilo em que nos tornamos.

Sair da zona de conforto pode exigir algum sacrifício, você está disposto? Em que momento você se encontra? Existe algo que pode ou precisa ser mudado? O que você irá fazer a respeito?

Boa reflexão!

ERROS

Erros!!!

Cheguei a momentos de querer sumir, ou melhor, apagar palavras que disse, atos que cometi.

Impossível!!! Eu sei!!!

Então percebi que sou humano, não sou perfeito e nunca serei.

Erros cometemos, muitos, infelizmente, mas com os erros aprendemos também.

E aprendi

Aprendi que não se repete os erros cometidos, pois se tornaria burrice.

Aprendi que a melhor maneira de se redimir de um erro é assumindo-o.

Aprendi como é amargo o gosto da culpa de ter errado.

Aprendi que ás vezes só o tempo é capaz de curar as feridas deixadas pelos nossos erros.

E aprendi a nunca desistir, errando acertando, mas sempre na tentativa de ser feliz, sempre buscando a felicidade.

Pois meus erros são reflexos das minhas tentativas sem sucesso de tentar ser feliz, te fazer feliz.

Erros estes que se tornam mínimos, pois me encontro na felicidade de estar ao teu lado e de ter teu carinho, que resume no sorriso que desenha no meu rosto toda vez que te encontro.

PENSE NISSO!

clarice lispector

Eu sei que nos acostumamos. Mas não devíamos.

Acostumamo-nos a morar em apartamentos de fundos, e a não ter outra vista

que não as janelas em redor.

E porque não temos vista, logo nos acostumamos a não olhar lá para fora.

E porque não olhamos lá para fora, logo nos acostumamos a não abrir de todo

as cortinas.

E porque não abrimos as cortinas logo nos acostumamos a acender cedo a luz.

E à medida que nos acostumamos, esquecemos o sol, esquecemos o ar,

esquecemos a amplidão….

Acostumamo-nos a acordar de manhã sobressaltados porque está na hora.

A tomar o café a correr porque estamos atrasados.

A ler o jornal no autocarro porque não podemos perder o tempo da viagem.

A comer uma sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque

já é noite.

A dormitar no autocarro porque estamos cansados. A deitar cedo e dormir

pesado sem termos vivido o dia…..

Acostumamo-nos a esperar o dia inteiro e ouvir ao telefone: hoje não posso ir.

A sorrir para as pessoas sem recebermos um sorriso de volta.

A sermos ignorados quando precisávamos tanto ser vistos.

Acostumamo-nos a pagar por tudo o que desejamos e o que necessitamos.

E a lutar, para ganhar o dinheiro com que pagar esses desejos e essas

necessidades.

E a pagar mais do que as coisas valem.

E a saber que cada vez pagaremos mais.

E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que

pagar….

Acostumamo-nos à poluição.

Às salas fechadas, de ar condicionado e cheiro a cigarro. À luz artificial.

Ao choque que os olhos sofrem com luz natural.

Às bactérias na água potável.

Acostumamo-nos a coisas demais, para não sofrermos….

Em doses pequenas, tentando não perceber, vamos afastando uma dor aqui, um

ressentimento ali, uma revolta acolá….

Se a praia está contaminada, molhamos só os pés e suamos no resto do corpo.

Se o cinema está cheio, sentamo-nos na primeira fila e torcemos um pouco o

pescoço.

Se o trabalho está difícil, consolamo-nos a pensar no fim-de-semana.

E se no fim-de-semana não há muito o que fazer, deitamo-nos cedo e ainda

ficamos satisfeitos porque temos sempre o sono atrasado.

Acostumamo-nos para não nos ralarmos com a aspereza, para preservar a pele.

Acostumamo-nos para evitar feridas.

Acostumamo-nos para poupar a vida. Vida que aos poucos se gasta, e que gasta

de tanto se acostumar, e se perde de si mesma.

Clarice Lispector

O PRESENTE

“O presente é apenas um momento fugaz, um instante que imediatamente se transforma em passado, quando então escapa à nossa influência, ultrapassando a imaginação mais arrebatada. A maioria das pessoas comporta-se como se o futuro estivesse total e irremediavelmente perdido pelo que fizeram no passado. Essa convicção é tão profunda que elas continuam a viver no passado, confirmando assim suas expectativas, ou seja, de que estão presas ao passado e não podem fazer mais nada a não ser repetir-se continuamente.

O presente é o momento no qual vivemos, e o mais importante é o que fazemos com nosso “self” atual, pois é através dele que o passado é importante para o amanhã. Se não fizermos nada para modificar nosso padrão emocional de comportamento, o amanhã será idêntico ao dia de ontem na maioria dos detalhes, com exceção da data. O passado é história, e o futuro apenas uma suposição – é o presente que os torna aquilo que são.

Não tente esquecer o passado; é impossível esquece-lo sem ao mesmo tempo esquecer de si mesmo. Você talvez imagine ter esquecido um ou outro detalhe indesejável, mas ele está gravado em alguma parte do seu corpo. Entretanto, a experiência passada, por pior que tenha sido, pode ser utilizada agora para tornar seu presente a base vital de um futuro mais pleno, mais interessante. Quando tiver aprendido a aceitar o passado, e a fazer as pazes com ele, ele o deixará em paz. Em minha opinião, se desejamos que a vida seja um processo saudável, o processo de amadurecimento não deveria jamais se interrompido em qualquer nível de atividade humana. A maturidade é um processo não uma condição definitiva; um processo pelo qual a experiência pessoal passada se fragmenta em partes, formando novos padrões que se ajustam às circunstâncias atuais do ambiente e à atual condição do corpo.

MOSHE FELDENKRAIS

“O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história.
O grande lance é viver cada momento como se a receita de felicidade fosse o AQUI e o AGORA.
Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais…, mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia? Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho?
Quero viver bem! Este ano que passou foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal. As vezes a gente espera demais das pessoas. Normal. A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou. Normal.
O ano que vai entrar vai ser diferente. Muda o ano, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza… tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?
O que desejo para todos é sabedoria! E que todos saibamos transformar tudo em boa experiência! Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim… Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria 3. Ou mude-o de classe, transforme-o em colega. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.
O nosso desejo não se realizou? Beleza, não estava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra esse momento (me lembro sempre de um lance que eu adoro): CUIDADO COM SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE.
Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam bem diferentes.
Desejo para todo mundo esse olhar especial.
O ano que vai entrar pode ser um ano especial, muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso. Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro. O ano que vai entrar pode ser o bicho, o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular… ou… Pode ser puro orgulho! Depende de mim, de você! Pode ser. E que seja!!!
Feliz olhar novo!!! Que o ano que se inicia seja do tamanho que você fizer.
Que a virada do ano não seja somente uma data, mas um momento para repensarmos tudo o que fizemos e que desejamos, afinal sonhos e desejos podem se tornar realidade somente se fizermos jus e acreditarmos neles!”
Carlos Drummond de Andrade

UM GRANDE NATAL E UM 2012 CHEIO DE CONQUISTAS

Há Momentos

Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes
não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem
em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Você só terá sucesso na vida
quando perdoar os erros
e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
duram uma eternidade.
A vida não é de se brincar
porque um belo dia se morre.

Clarice Lispector

Saudades

Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades…

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei…

Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser…

Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro…

Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser…

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!

Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!

Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.

Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências…

Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!

Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que…
não sei onde…
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi…

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades
Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês…
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.

Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,
espontaneamente quando
estamos desesperados…
para contar dinheiro… fazer amor…
declarar sentimentos fortes…
seja lá em que lugar do mundo estejamos.

Eu acredito que um simples
“I miss you”
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.

Talvez não exprima corretamente
a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.

E é por isso que eu tenho mais saudades…
Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca
de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência…